Quantcast
Operadores Logísticos

Volume de negócios da STEF retorna a “tendências pré-covid” no 2º trimestre do ano

O volume de negócios da STEF chegou aos 848,8 milhões de euros (+ 19,3% em perímetro constante) no 2º trimestre de 2021.

O volume de negócios da STEF chegou aos 848,8 milhões de euros (+ 19,3% em perímetro constante) no 2º trimestre de 2021, marcando “um retorno às tendências pré-covid”. Em comunicado, o grupo revela que no semestre, o volume de negócios do Grupo ascende a 1.636,8 milhões de euros (o que representa +9,8% face a 2020, mas permanece inferior ao de 2019 (1.665,9 milhões de euros, ou seja -1,7%).

Stanislas Lemor, Presidente-diretor geral STEF declarou: “ O grupo regista uma sólida progressão do seu volume de negócios no segundo trimestre 2021, embora sem atingir o valor de 2019 para o mesmo período”. “Além disso, a STEF apresentou a sua iniciativa climática 2030, que coloca o foco no desenvolvimento de uma mobilidade sustentável e de uma cadeia de frio responsável. Esta baseia-se em três objetivos principais: reduzir em 30% as emissões de gases com efeito de estufa dos seus veículos até 2030, consumir 100% de energia com baixo teor de carbono nos seus edifícios até 2025 e integrar os seus subcontratados no seu compromisso com o desenvolvimento sustentável”, acrescentou.

Resultados por zonas geográficas

 

O grupo informa que a aquisição das atividades do Nagel Group em Itália e na Bélgica a 31 de dezembro de 2020 contribuiu com 16,6 milhões de euros no volume de negócios da STEF Internacional no segundo trimestre.

Na STEF França, a atividade de logística para a GMS “permanece dinâmica apesar de registar um ligeiro abrandamento, quando comparado com os volumes excecionais registados em 2020, no auge da crise sanitária”.

 

A atividade de congelado mantém uma taxa de ocupação elevada dos seus armazéns. “O segmento temperado e seco alimentar apresenta uma boa dinâmica, impulsionada pela extensão da plataforma de Orléans”, informa ainda a empresa.

Em Espanha, a STEF Internacional registou “um bom crescimento, resultado de um crescimento orgânico sustentado e de um aumento da sua atividade de transporte para um cliente da grande distribuição”. Já em Portugal, a empresa “mantém a sua dinâmica comercial apoiando-se na nova plataforma em Alenquer, nas proximidades de Lisboa”.