Quantcast
Tecnologia

Carregamento elétrico sem fios: A tecnologia que pode revolucionar a mobilidade?

A Stellantis anunciou durante os últimos dias ter dado por concluída a primeira fase de testes da Arena do Futuro, um projeto desenvolvido em Chiari, Itália, onde se demonstrou a capacidade da nova tecnologia DWPT (Dynamic Wireless Power Transfer) para carregar veículos elétricos (EV) “sem fios” quando viajam em faixas de estrada especialmente preparadas.

Segundo o explicado, esta tecnologia DWPT é um inovador sistema de bobinas colocadas sob o asfalto que transfere energia diretamente para automóveis, camiões e autocarros sem que estes precisem de parar em estações de carregamento para recarregar a bateria.

 

Em comunicado, explica-se que esta “tecnologia pode ser adaptada para todos os veículos equipados com um “recetor” especial que transfere a energia proveniente da infraestrutura da estrada diretamente para o motor elétrico, conservando a carga da bateria do veículo.”

O projeto-piloto da Stellantis e dos parceiros envolvidos é coordenado pela A35 Brebemi, uma empresa pertencente à operadora global de infraestruturas de transporte Aleatica, centrada em soluções de mobilidade sustentáveis e inovadoras.

 

“O nosso plano estratégico de longo prazo Dare Forward 2030 é baseado na premissa de oferecer ‘liberdade de mobilidade de vanguarda’ para todos e este projeto é a verdadeira essência do nosso rumo como empresa,” afirmou Anne-Lise Richard, Head of Global e-Mobility Business Unit da Stellantis. “Ao trabalhar com este incrível grupo de parceiros, provámos que a tecnologia de carregamento por indução consegue alimentar o nosso futuro eletrificado. Estes projetos conjuntos são passos entusiasmantes no trabalho para alcançar um tempo de vida útil mais longo para as baterias, maior eficiência energética, baterias de menores dimensões, desempenho notável e peso e custo mais baixos.”

“Depois de meses de testes, o primeiro grande resultado mostra que um BEV, como o Novo 500 da FIAT, preparado para testar o sistema, consegue viajar a velocidades típicas de autoestrada sem consumir a energia armazenada na bateria. Os testes estão a mostrar que a eficiência do fluxo de energia do asfalto para o veículo é comparável à eficiência característica dos postos de carregamento rápido, pelo que o condutor não precisa de parar para recarregar. Além disso, as medições da intensidade do campo magnético provam que não há impacto sobre o condutor ou os passageiros”, sintetiza-se para terminar.

 

A “Arena do Futuro” é alimentada por corrente contínua (DC), que oferece várias vantagens concretas e únicas, incluindo:

  • Reduzir perdas de potência no processo de distribuição de energia;
  • Garantir uma integração direta com fontes de energia renovável sem necessidade de converter DC em AC;
  • Permitir a utilização de cabos mais finos do que a distribuição de corrente AC com vantagens evidentes em termos de acondicionamento, peso e poluição harmónica;
  • Utilização de cablagens de alumínio para distribuição da energia, material que é mais fácil de obter e que custa metade em comparação com o cobre, além de ser mais leve e mais fácil de reciclar num modelo de negócio de economia circular.