Quantcast
Operadores Logísticos

“Rede das redes”: Governo alemão investe milhões para testar integração intermodal em Hamburgo

Porto de Hamburgo

Com a logística a reinventar-se para dotar-se de maior flexibilidade e robustez, muitos são os projetos a serem desenvolvidos neste âmbito. Agora, noticia o site Container News, o governo alemão prepara-se para investir 15 milhões de euros para uma rede de testes digitais no Porto de Hamburgo.

Apelidado de SANTANA (Serviço e rede de dados do Porto de Hamburgo), o projeto prolongar-se-á durante 30 meses, sendo desenvolvido pela Autoridade Portuária de Hamburgo em parceria com a Dakosy, sendo o objetivo final “o desenvolvimento de uma infraestrutura digital que se destina a conectar logística e infraestrutura pública e gestão de tráfego ainda mais de perto”.

 

Salienta o Porto de Hamburgo que esta “rede de redes” conjunta visa que e as ofertas de serviços digitais sejam mais facilmente acessíveis através de um marketplace comum para todos os intervenientes nos processos de transporte portuário e para o interior do país.

Michael Westhagemann, responsável pela pasta da Economia e Inovação, comentou: “Este apoio demonstra mais uma vez a importância nacional do Porto de Hamburgo. É essencial alavancar o potencial anteriormente inexplorado na rede de transporte multimodal e cadeias logísticas, criando benefícios económicos e reduzindo emissões”.

 

“Ao integrar dados logísticos no setor de infraestrutura, alcançaremos um salto quântico na transparência digital. Isso acelerará ainda mais os processos no porto e para o interior”, observou Dieter Spark, CEO da DAKOSY.

“Juntamente com seus parceiros associados HHLA, EUROGATE e o Centro de Coordenação de Embarcações de Hamburgo (HVCC), HPA e DAKOSY implementarão um total de seis medidas neste projeto para otimizar o controle de fluxo na água, estrada e ferrovia. Entre outros aspetos, a otimização do tráfego na rede rodoviária dentro do porto está a ser planeada usando tecnologia inspirada em quantum para controlo em tempo real da rede de semáforos”, explica a publicação acima referida.