Quantcast
Smart Cities

Projeto VoxPop Lisboa abre Open Call dirigida a inovadores

O projeto VoxPop, que tem como objetivo fomentar a transição digital da mobilidade em Lisboa, abriu uma Open Call dirigida a inovadores para o desenvolvimento de soluções digitais em código aberto que respondam aos desafios de mobilidade das comunidades mais vulneráveis. A iniciativa pretende apoiar 20 projetos num valor até 60 mil euros (num total orçamentado de um milhão de euros).

“Nós estamos a tentar, no âmbito desde projeto, que os agentes da cidade possam criar soluções que respondem de melhor forma às reais necessidades de todas as pessoas que trabalham, residem, estudam e visitam a cidade de Lisboa”, declarou a diretora de Inovação e Soluções de Mobilidade da EMEL, Sofia Taborda, no âmbito do evento de apresentação desta fase do projeto.

 

A importância deste projeto é confirmada pelas estatísticas oficiais. De acordo com o vereador da Mobilidade e Transportes na Câmara Municipal de Lisboa (CML), Ângelo Pereira, “uma em cada cinco pessoas tem uma experiência de mobilidade condicionada quando se deslocam em Lisboa, ou por deficiência, ou por incapacidade temporária ou permanente. Estas dificuldades afetam mais mulheres que homens”.

A Open Call tem como base seis desafios que, de acordo com o vereador da Economia e Inovação na CML, Diogo Moura, foram escolhidos junto da sociedade civil:

  1. Planeamento de viagens – Permitir o planeamento fiável e fácil de percursos através de, por exemplo, acesso a informação atualizada e verificada de percursos contínuos desimpedidos ou das condições de acessibilidade a espaços públicos (transportes, serviços, recintos).
  2. Navegação autónoma – Facilitar a deslocação de pessoas com deficiência, incapacidade ou S/surdas na cidade, assistindo a sua navegação e orientação no espaço público para uma mobilidade mais fácil e autónoma.
  3. Serviços inclusivos de bilheteira – Tornar os serviços de bilheteira mais acessíveis (por exemplo: registo, compra, carregamento e validação de bilhetes) para pessoas com deficiência, incapacidade ou S/surdas.
  4. Promover uma mobilidade mais segura – Promover deslocações mais seguras na cidade para toda a população, incluindo pessoas com deficiência ou incapacidade, S/surdas ou com condição do espectro autista através de soluções que amenizem barreiras (físicas, de comunicação ou informação) que contribuem para a vulnerabilidade destas pessoas no espaço público e na sua mobilidade.
  5. Gozo pleno de espaços públicos – Promover que pessoas com deficiência ou incapacidade visual ou S/surdas consigam usufruir de forma plena dos diversos espaços públicos da cidade (por exemplo: jardins, parques, praças, etc.)
  6. Soluções comunitárias para uma mobilidade mais Inclusiva (transversal) – Promover e facilitar a intervenção comunitária para resolver desafios de mobilidade na cidade de Lisboa
 

O projeto é liderado pela Câmara Municipal de Lisboa (CML), gerido operacionalmente pela EMEL e conta com a colaboração da CARRIS, Metropolitano de Lisboa, Transportes Metropolitanos de Lisboa (TML), ARMIS, Beta-i e Deloitte Portugal. O financiamento é do Urban Innovative Actions,  um programa promovido pela Comissão Europeia que visa financiar soluções ambiciosas e inovadoras para responder a desafios das cidades.