Quantcast
Supply Chain 4.0

Dez tecnologias que prometem revolucionar a Supply Chain

iStock

O mundo está em transição para um novo patamar de digitalização. Neste sentido, também na cadeia de abastecimento a inovação tem sido fator disruptivo.

Depois de serem tecnologias de nicho, há muita integração tecnológica a fazer o seu caminho para o patamar de produção, e o site Supply Chain Digital dá algumas pistas de quais as tecnologias a eclodir no segmento.

 

Confira em baixo a lista de tecnologias que a referida publicação prevê que sejam integradas a breve trecho:

– impressão 3D: A impressão 3D percorreu  um longo caminho desde o início de 1980, quando produzia apenas protótipos de plástico. Agora, a impressão 3D produz produtos acabados a partir de materiais como metal, tecido corporal, concreto e alimentos.

 

– Computação na ‘neblina’: Todos nós sabemos sobre ‘a nuvem’, mas e o ‘nevoeiro’? Este é um novo conceito que distribui dados por vários servidores sem depender de um único local. Ele usa buffers virtuais para realocar pacotes de dados indefinidamente, o que significa que um arquivo nunca está completamente em um só lugar.

-Veículos autónomos: Dentro de uma década, os motoristas de camião estarão a fazer o seu trabalho de uma forma totalmente nova. Através da integração de sistemas de comunicação veículo a veículo e sistemas de prevenção de colisões baseados em radar, as frotas de camiões circularão em ‘pelotões’, usando a aerodinâmica para economizar combustível.

 

– Drones: A crescente procura por entregas sem contato está a potenciar que drones sejam comuns ​para entregar encomendas. Existem cerca de 20.000 drones a realizar entregas no retalho hoje, e cerca de 500.000 drones estão registados para uso comercial na Federal Aviation Administration (FAA) nos EUA.

– Tecnologia vestível: Tecnologia vestível são dispositivos eletrónicos inteligentes e de mãos-livres que fornecem informações automaticamente ao utilizador. Óculos e roupas conectadas estão a tornar-se cada vez mais comuns em armazéns. Empresas como a UPS usam wearables para otimizar os seus processos e economizar tempo.

 

-Tecnologia Blockchain: O Blockchain promete mudar significativamente a maneira como os retalhistas e fabricantes de bens de consumo executam as suas cadeias de abastecimento.

– Robótica e Automação: A robótica está a revolucionar a cadeia de abastecimento e a entregar valor significativo. Melhora a velocidade e a precisão das operações, principalmente no armazenamento e na produção. Os robots também estão ajudando as empresas a aumentar a produtividade dos trabalhadores, reduzir a taxa de erros, reduzir os tempos de coleta, classificação e armazenamento; e aumentar o acesso a locais difíceis ou perigosos.

– Análise preditiva: o Big Data há muito deixou de ser uma palavra da moda, agora é um princípio orientador da gestão da cadeia. Mas ter dados e entendê-los são coisas diferentes.

– Ferramentas de otimização de inventário e rede: Esses tipos de ferramentas ajudam as empresas a produzir, armazenar e distribuir produtos com mais eficiência e eficácia. Serviço ao cliente é a palavra de ordem, com todos os tipos de negócio agora a exigir velocidade, visibilidade e transparência dos parceiros da cadeia.

– Internet das Coisas: Não muito tempo, as cadeias de abastecimento complexas eram vistas mais como uma barreira ao progresso. A IoT permite a troca de dados – dentro e entre sistemas – pela Internet e pode alavancar dados acionáveis ​​de etapas da cadeia. Agora é usado para localizar materiais, fazer manutenção em equipamentos e monitorar a produtividade e a eficiência.